sexta-feira, 27 de abril de 2007

9º Congresso BAD : diário de um anarquista

(o conselho editorial cedeu ao lóbi e publica o diário de uma voz inconfundível do meio bloguista português)

Aterrei em Ponta Delgada em 25 de Março para efectuar uma acção de formação de dois dias na Biblioteca Pública e Arquivo Municipal de Ponta Delgada que correu às mil maravilhas, na medida em que recebi os devidos honorários atempadamente.
No dia 28 pela manhã lá me encaminhei para a Universidade dos Açores. Entre cumprimentos e aplausos efusivos, consegui finalmente dirigir-me à Aula Magna para a Sessão Inaugural e Conferência Plenária. Gostei, como toda a gente, da excelente comunicação de Chris Batt (que números impressionantes: 25% da população em Inglaterra frequenta as Bibliotecas Públicas…). Prometi a mim mesmo ir à net procurar mais “coisas” do Chris mas, como é meu apanágio, ainda não cumpri. A cantina universitária, por seu turno, impressionou-me pela negativa. Os preços não eram especialmente convidativos e o “Bacalhau à Braz” que me puseram no tabuleiro estava frio. A partir daí almocei sistematicamente no bar que ficava no piso superior e pelo mesmo preço serviam a comida quente, o que constituiu na minha perspectiva o mais extraordinário SCIENTIFICAL BREAKTHROUGH de todo o congresso.
Na parte da tarde tive alguma dificuldade em apurar com rigor a localização geográfica do Auditório C, onde assisti com interesse desinteressado à comunicação do António Sá Santos sobre «Marketing nas Bibliotecas», após a qual sai discretamente (tipo elefante numa loja de porcelanas) em direcção ao auditório 1. Perdi, com pena, a comunicação do “doutor” (curvo-me reverencialmente) Eloy Rodrigues, mas no auditório 1 concentravam-se uma série de comunicações das minhas colegas da Câmara Municipal de Lisboa e a minha presença interessada na primeira fila constituía uma oportunidade única para em simultâneo “dar graxa” a toda a comitiva hierárquica que me dirige. Apesar da intenção declaradamente mal intencionada foi bom rever a síntese de «melhoria do desempenho na Rede BLX» da autoria das minhas veneráveis chefes (curvo-me reverencialmente) Eunice Figueiredo e Leonor Gaspar Pinto e do Paulo Silva (the best system librarian ever known). Infelizmente não tive tempo para assistir à comunicação da Sofia Santos e do gang do Serviço de Aquisições e Tratamento Técnico (fica para a próxima), mas tinha de aprender alguma coisa sobre blogues (até porque no dia seguinte ia participar numa mesa redonda sobre o este misterioso tema) pelo que regressei ao saudoso auditório C, onde “apanhei” ainda a Clara Assunção desprevenida a falar sobre «O Centro de estudos musicológicos da BN» e dei por mim a relembrar-me dos dias gloriosos na Fonoteca Municipal (responsável pela minha iniciação à profissão de bibliotecário) a catalogar Material Não Livro…

(TO BE CONTINUED…)

Nota aos bibliotecários: este post deverá ser catalogado a dois níveis
Lamento mas ainda não se livraram de mim… see you soon.


Adalberto Barreto

ver também

2 comentários:

Eduarda Sousa disse...

Boa dia, gostava muito de lhe enviar um email mas não consigo encontrá-lo por aqui...

Anónimo disse...

barretoadalberto@yahoo.co.uk