quinta-feira, 2 de abril de 2009

What is the Library of the future?

Hoje, na conferência What is the Library of the future? (JISC), transmitida em directo para a internet, em Oxford University, Sarah Thomas, (Bodley’s librarian and director, Oxford University Library Services), falou sobre as colecções disponíveis em Oxford, bem como a importância das bibliotecas no futuro. Argumentou que o passado e o futuro não são opostos polares, mas precisam ser integradas para avançar. Esta afirmação, de uma grande sabedoria, dá que pensar.
Avisa-nos que o Google contribui para uma certa confusão, relativamente à missão tradicional atribuída ás bibliotecas. O motor de pesquisa faz muito do que as bibliotecas deviam fazer, mas fica aquém de todas as funções que deve ter uma biblioteca.
As bibliotecas físicas terão que caminhar para locais de não-silêncio, locais onde se pode interagir com o artefacto livro, mas também tomar um café e ter uma boa conversa com outro utilizador, colega ou amigo, ou realizar um trabalho de grupo.
Os bibliotecário vão deixar de investir na inventariação de documentos e irão contribuir e gerir conteúdos, a partir de fornecedores de metadados. Os documentos são cruzamento de informações auditivas, visuais, geográficas, etc.
Temos o iPhone, o Kindle que podem ser utilizados nas bibliotecas, e a rede social com as novas ferramentas.
Outro dado importante, no futuro, é a questão da PARTILHA : na catalogação, na responsabilidade da preservação e no armazenameno partilhado da informação.
A Biblioteca do futuro tem que ter especialistas de áreas diversas: advogados, para auxiliar as questões da propriedade intelectual; MBAs para auxiliar as actividades empreendedoras; especialistas em audiovisual e nas TIC.
Para os bibliotecários mais medrosos: o livro não desaparecerá.
Vivam as bibliotecas vivas.

1 comentário:

Ana F. Pires disse...

interessante